2002 – Redes científicas e tecnológicas

Os resultados dos investimentos públicos e internacionais verificados no Museu Goeldi na última década puderam ser avaliados nos anos de 2001/2002. Pela primeira vez em sua história, os recursos captados pela instituição através de projetos, fundos setoriais e editais superaram a dotação orçamentária do governo federal. O crescimento institucional também pôde ser sentido na capacidade científica instalada no Museu Goeldi. Em 2001, a instituição abriu mais um curso de pós-graduação, na área de Botânica, em convênio com a Universidade Federal Rural da Amazônia. Em 2002, consolidaram-se os programas científicos institucionais e foi lançado o Programa Biodiversidade da Amazônia, em conjunto com a Conservação Internacional (CI-Brasil). No período, o Museu Goeldi também ingressou em importantes redes científicas e tecnológicas, como a Rede Nacional de Pesquisas (RNP), o Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM), o Tropical Ecology Assessment and Monitoring (TEAM), o Experimento de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA) e a Rede Temática de Pesquisa em Modelagem Ambiental da Amazônia (GEOMA).