Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Simpósio atualizou panorama sustentável do uso de terras na Amazônia
conteúdo

Agência de Notícias

Simpósio atualizou panorama sustentável do uso de terras na Amazônia

Em Minas Gerais, pesquisadores do Museu Goeldi e outras instituições de ciência trocaram impressões, descobertas e avaliaram chances de parcerias durante simpósio da Rede Amazônia Sustentável
publicado: 16/12/2015 11h30, última modificação: 09/03/2018 12h38

Agência Museu Goeldi – A Rede Amazônia Sustentável (RAS) chega ao sexto ano com muitas pesquisas e aprendizado sobre a biodiversidade socioecológica da Amazônia brasileira. Esse acúmulo positivo foi mostrado no Simpósio “Principais descobertas e oportunidades de impacto”, que aconteceu de 12 e 14 de dezembro, em Santuário das Caracas, em Minas Gerais.

A Rede Amazônia Sustentável (RAS) é associada ao projeto INCT Biodiversidade e Uso da Terra na Amazônia. O Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) é um dos organizadores do evento, que reuniu pesquisadores de instituições brasileiras e internacionais. Josiah Barlow e Toby Gardner, pesquisadores do INCT, sediado no Museu Goeldi, são responsáveis por dois subprojetos dentro da rede.

Em Minas Gerais foram compartilhados e discutidos os mais recentes resultados dos trabalhos da rede. Agora, os cientistas e instituições envolvidos no projeto querem divulgar esses panoramas para um público mais amplo, incluindo proprietários de terras e outros atores na região amazônica. Materiais de comunicação estão sendo preparados para circular em 2016 na região. O simpósio também foi um momento para a Rede Amazônia Sustentável identificar os próximos passos e as prioridades para novos produtos de pesquisa, financiamento e oportunidades para a participação individual na rede.

Rede de Biodiveridade - Fundada em 2009, a Rede Amazônia Sustentável (RAS) reúne cerca de 100 pesquisadores, representando mais de 50 instituições no Brasil e do exterior. Seu objetivo é avaliar as consequências ambientais e sociais da mudança no uso da terra na Amazônia oriental brasileira. O trabalho da rede representa a avaliação socioecológica mais abrangente já realizada por pesquisadores na região amazônica.
 
Texto: João Cunha