Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Ação por uma Belém mais verde e bela
conteúdo

Agência de Notícias

Ação por uma Belém mais verde e bela

Seminário sobre arborização dos canais da capital do Pará reúne poder público, cientistas e movimentos sociais. Programação faz parte da Semana do Meio Ambiente do Museu Goeldi
publicado: 07/06/2017 16h45, última modificação: 15/01/2018 17h30
Exibir carrossel de imagens Suellen Dias Movimentos sociais realizam projetos pontuais de jardinagem e arborização

Movimentos sociais realizam projetos pontuais de jardinagem e arborização

Agência Museu Goeldi – Quase uma ilha, Belém, a capital do Pará, é banhada pelos rios Maguari e Guamá, estando localizada no estuário do Amazonas. A cidade é abastecida por 14 bacias, recortada por vários cursos de água em diferentes pontos, e, com a crescente urbanização, proliferam aterros e canais. O Seminário “Arborizar e ajardinar os canais de Belém: proposições, ações e desafios” debate nos dias 8 e 9 de junho essa característica com o firme propósito de buscar mais qualidade de vida para esses recantos.

Arborização garante melhor qualidade de vida nas cidadesO evento faz parte da programação da Semana de Meio Ambiente do Museu Goeldi e será realizado nestas quinta e sexta feiras, no Campus de Pesquisa da instituição, no bairro da Terra Firme. A programação inclui mesas redondas, oficinas, relatos de experiência e performance teatral. Confira a programação completa clicando aqui.

Seminário - O objetivo é discutir o saneamento e experiências de arborização de canais de Belém, especialmente do canal do Tucunduba, e propor ações que deem conta dos desafios ambientais enfrentados pelas áreas de canais da cidade. O seminário reunirá escolas de ensino fundamental, cientistas, movimentos sociais e representantes do governo municipal e estadual, para elaborar uma plataforma de compartilhamento de responsabilidades e informações. O primeiro alvo da ação dos organizadores será o Canal do Tucunduba, tema de um concurso de ajardinamento.

A realização de “Arborizar e ajardinar os canais de Belém: proposições, ações e desafios” conta com a parceria da Prefeitura de Belém, da Embrapa Amazônia Oriental, da entidade AmeTucunduba e do Ponto de Memória da Terra Firme. Também estarão presentes representantes das Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas; de Meio Ambiente e Sustentabilidade, e de Educação do Estado do Pará.

Para Lúcia Santana, chefe do Serviço de Educação do Museu Goeldi e uma das coordenadoras do evento, o Seminário Arborizar é uma oportunidade de integrar diferentes atores em ações de educação ambiental e intervenção urbana com intuito de melhorar a qualidade de vida na cidade.

“Teremos por exemplo as doutoras Alba Lins, da Botânica do Museu Goeldi e Noemi Viana, da Embrapa, que são referências em pesquisa. Teremos também movimentos sociais que muitas vezes atuam sem qualquer auxilio do estado, em projetos de plantio e jardinagem. E por fim, os representantes do estado e do município, responsáveis por planejar e implantar projetos estruturantes na cidade. Muitas competências que podem contribuir para a arborização dos canais e para pensar a cidade de Belém”, explica Lúcia.

Movimentos sociais realizam projetos pontuais de jardinagem e arborizaçãoOficinas - A programação inclui três oficinas: “Maquete no Canal do Tucunduba”, ministrada por Carlota Brito e Alba Lins (Museu Goeldi); “Educação Ambiental na Terra-Firme”; ministrada por Edielci Pimentel e Suellen Furtado (Museu Goeldi); e “Compostagem”, ministrada por Silvio Levy (Embrapa Amazônia Oriental).

Tucunduba - Os transeuntes da tv. Angustura, entre as Avs. Alm. Barroso e João Paulo II, nem imaginam que, sob a coberturas de asfalto e concreto de uma das regiões de maior fluxo de transito de Belém, está a nascente do igarapé do Tucunduba, que dá nome à segunda maior bacia hidrográfica na cidade.

A bacia do Tucunduba possui quase 14.2 km de extensão, compostos por 13 canais que escoam águas os bairros do Marco, São Brás, Terra Firme, Canudos, Guamá, Curio-utinga e Universitário. O rio Tucunduba é o principal da bacia, possuindo 3.6 km de extensão, em um percurso densamente povoado e que sofre com a degradação ambiental e problemas de saneamento. O rio Tucunduba desagua no rio Guamá, na altura do Campus da Universidade Federal do Pará.

As inscrições para o Seminário “Arborizar e ajardinar os canais de Belém: proposições, ações e desafios” são gratuitas e dão direito a certificado de participação, bastando que os interessados se cadastrem pelo e-mail eventos.seedu@museu-goeldi.br ou pessoalmente no momento do evento. Mais informações, pelo fones 3182-3244/3218.

Serviço: SEMINÁRIO “Arborizar e Ajardinar os Canais de Belém

08/06 (quinta-feira) e 09/06 (sexta-feira) – 8h às 17h

SEMINÁRIO “Arborizar e Ajardinar os Canais de Belém: Proposições, Ações e Desafios”. Instituições parceiras: SEDUC, Prefeitura de Belém, Ponto de Memória da Terra Firme, AmeTucunduba e Embrapa Amazônia Oriental.

Local: Campus de Pesquisa do Museu Goeldi (Av. Perimetral, 1901, Terra Firme)