Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Ciência, Café e Proibidão
conteúdo

Agência de Notícias

Ciência, Café e Proibidão

Evento do Museu Goeldi traz especialista da Universidade de Seoul (Coreia do Sul) para discutir estudos etnográficos sobre o Funk Carioca e as relações dessa manifestação com temas como violência e crise ecológica
publicado: 30/01/2017 12h30, última modificação: 19/02/2018 15h49

Agência Museu Goeldi – Na próxima quarta-feira (01/02), às 15h, o Campus de Pesquisa do Museu Goeldi, na Terra Firme, recebe a mais nova edição do Café com Ciência. Dessa vez, o palestrante convidado é Paul Sneed, da Seoul National University (Coreia do Sul), que traz apresentação com o título “Vozes de Metralhadora: Violência e Comunidade no Proibidão do Funk Carioca”. A entrada é livre e gratuita a todos os interessados, sem necessidade de inscrição prévia.

O professor Sneed é especialista em estudos de cultura e literatura brasileiras do Departamento de Literatura e Língua Hispânica na universidade sul-coreana e há 20 anos iniciou estudos etnográficos sobre o Funk Carioca na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro.

Proibidão - Gravados ao vivo nos bailes de favela, os proibidões podem ser considerados um subgênero do funk carioca, surgido na década de 1990 e cujas letras retratam o cotidiano de violência das comunidades onde ocorre tráfico de drogas. Eram distribuídos de forma clandestina em fitas, CDs e arquivos digitais, sem ser vendidos em lojas formais ou tocados nas rádios da cidade.

De acordo com Paul Sneed, os raps proibidos do movimento funk nas favelas cariocas dos anos 90 e 2000 foram uma das manifestações musicais e culturais mais controversos nas últimas décadas. Não somente por serem expressão ideológica do poder paralelo, mas também pela feição de “música impopular brasileira” que assumiram.

O especialista considera que, apesar da violência relacionada aos bailes de comunidade nas favelas do Rio de Janeiro onde surgiu o proibidão, esses eventos incorporavam um impulso comunitário típico de expressões culturais do Atlântico Negro. É esse impulso comunitário o ponto de partida da palestra, que convida o público a refletir sobre a relevância do proibidão para a crescente crise de violência social e ecológica que vem desafiando o Brasil e o mundo.

Café com Ciência - Organizado periodicamente pela Coordenação de Ciências Humanas do Museu Goeldi, o Café com Ciência promove o encontro de especialistas com um público diverso. A proposta é debater questões atuais de relevância social de forma descontraída – cada participante leva algo para compartilhar no lanche ao final do encontro. Não é necessária inscrição prévia e as palestras são gratuitas e abertas a todos os interessados.

Texto: Uriel Pinho

 

Serviço

Palestra “Café com Ciência” no Museu Goeldi.

Dia 01 de fevereiro (quarta-feira), às 15h

Tema: “Vozes de Metralhadora: Violência e Comunidade no Proibidão do Funk Carioca”

Palestrante: Ph.D. Paul Sneed (Seoul National University)

Local: Sala 01 da Coordenação de Ciências Humanas, Campus de Pesquisa do Museu Goeldi (Av. Perimetral, 1901, Terra Firme – Belém)