Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Revista científica reúne estudos sobre impactos ambientais no Brasil
conteúdo

Agência de Notícias

Revista científica reúne estudos sobre impactos ambientais no Brasil

Onze artigos exploram temas como os efeitos da construção de estradas sobre a fauna no Brasil, a relação entre a exploração das energias hidrelétrica e eólica e os ecossistemas e reflexão sobre os programas de educação ambiental.
publicado: 16/02/2018 11h00, última modificação: 06/03/2018 10h12

Agência Museu Goeldi - Publicação digital e trimestral criada em 1995, a revista científica Oecologia Australis lançou uma edição especial dedicada a estudos sobre impactos ambientais, sob a coordenação da bióloga do Museu Paraense Emílio Goeldi Alexandra Maria Ramos Bezerra. A revista pode ser acessada livremente e está hospedada no portal da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Outros dois pesquisadores do Museu Goeldi participam desta edição, os biólogos Alberto Akama e Ricardo Arturo Guerra-Fuentes.

Em onze artigos, a revista oferece uma diversidade de temas relacionados aos impactos ambientais.

Em seu editorial, Alexandra Bezerra defende a importância dos estudos ecológicos e faz uma observação crítica: “As informações contidas nos relatórios dos Estudos de Impactos Ambientais (EIAs), por vezes, ficam restritas aos órgãos fiscalizadores competentes, ou não podem ser facilmente utilizadas de maneira prática pela academia e/ou sociedade. Além disso, muitos dos estudos de impacto ambiental, mesmo quando voltados a um mesmo tipo de empreendimento, seguem metodologias não padronizadas, tornando-os não comparáveis entre si”.

Esta edição especial da revista Oecologia Australis traz para seus leitores resultados e dados de estudos de impactos ambientais no Brasil, a padronização de métodos de amostragem, identificação de impactos e mitigações propostas em diversas fontes. A edição não ficou restrita a temas ou grupos-alvo. “Assim, o presente volume traz contribuições sobre empreendimentos de implantações eólicas, pavimentação de rodovias, de represamento de rios para formação de áreas de aproveitamento hidrelétrico, assim como efeitos de caça, desmatamento e introdução de espécies exóticas em diversas regiões do Brasil”, explica a editora.

O biólogo Alberto Akama assina o estudo intitulado “Impacts of the hydroelectric power generation over the fish fauna of the Tocantins river, Brazil: Marabá dam, the final blowd”, no qual faz uma revisão bibliográfica sobre as sete hidrelétricas implantadas no rio Tocantins e os possíveis impactos da construção da usina de Marabá na fauna de peixes da bacia Araguaia-Tocantins. Ele alerta para graves consequências sobre espécies já ameaçadas de extinção e defende o suporte científico a populações locais para que defendam os recursos ambientais da região em consultas públicas.

Já o herpetólogo Ricardo Arturo Guerra-Fuentes, ex- bolsista PCI no Museu Goeldi e hoje professor da Universidade Federal do Pará (UFPA), publica, em colaboração com outros dois autores, o artigo intitulado “Numa selva de pedra uma ilha de mata Atlântica: a hipertofauna da reserva biológica Tamboré, Santana de Parnaíba, SP”. O pesquisador relata ter observado uma forte influência de ações humanas na área, problemas de conservação semelhantes aos de outras unidades da Mata Atlântica.

 

Texto: Erika Morhy